Pesquisar este blog

sexta-feira, 4 de setembro de 2015

As loucuras da linguagem!

Começou assim, um belo dia, nem tão belo estava chovendo, eu fui sair com umas amigas,Fê e Gabi, elas me falaram que iam encontrar uns carinhas que elas saiam e estavam de moto, haha, eu me animei, mas depois pensei 'e eu? Ficarei apé?' Elas diseram que não, que iam uns amigos deles, ai eu me animei e pensei "haha, vou pegar alguém", kkkk, por ai tudo bem, sendo que quando os encontramos eram apenas 3 meninos, ou seja, os 2 das minhas amigas e eu só e outro só, olhaaa a mente maliciosa. Então todos saímos, bebemos, nos divertimos muitooo e bebemos, dançamos, bebemos, brincamos e bebemos, na volta os meninos nos chamaram pra casa do Leo que saia com a Fê, bêbadas fomos e de repente não me lembro como que aconteceu que eu simplesmente parei no último andar da casa, a chuva já havia parado, meio bêbada, meio descabela, meio feliz, hehe, com o menino que estava só (não por muito tempo) vindo com aquele papinho de sempre que todo homem vem (ninguém merece), mas como eu estava afim (muito galuda.kk) fui com tudo e ali mesmo ao luar nublado, haha, nos pegamos no meio de algumas coisas  de obras, em cima de tijolos, um pouco de areia, gesso e muito, muito tesão, foi algo bem louco, mas não rolou, não rolou mesmo os finalmentes, fizemos bastante barulho e eu gritei tanto com uma língua num lugar que UIIII, haha, vocês entenderam, mas foi tanto barulho que acordamos os vizinhos em torno de umas 4 da manhã ai tivemos que nos retirar, pois o lugar era aberto, então fui pra casa, já era muito tarde, então assim fomos saindo e saindo várias vezes, mas nunca rolava o tal do sexo, e aquela vontade louca, muito louca estava completamente descontrolada e eu tinha perdido o completo controle sobre eu mesma, senhooooooooor, o que era aquilo, eu exalava tesão, quando eu fui decidida em liberar a menina não importasse aonde eu estivesse, aonde fosse, como fosse eu só tinha uma certeza naquele dia, que era 'hoje eu vou dá', e fui na casa do Léo, sem as meninas, apenas eu, Léo era meu vizinho morava na minha rua, vi umas motos paradas no portão, logo pisquei, muito, enlouqueci e só pensava 'é hoje!' quando entrei na casa do Léo me deparei com um Deus grego lindo, maravilhoso e muito gostoso, mas não me importei, pois queria o Vini (o menino que estava pegando), mas ai o Léo olhou pra mim e disse" Vini ta viajando, só volta na segunda", na hora eu fiquei sem reação e pensei, 'como assim?'! e o que eu faço com esse tesão?' era ainda sexta-feira e eu não me contia, então o Léo me ofereceu umas bebidas já que estavam todos lá bebendo eu aceitei, meio chateada, não aceitando aquela situação bebi e bebi, bebi mais um pouco e bebi, bebi e bebi, quando de repente o Deus Grego maravilhoso chegou em mim com uma voz de molhar qualquer calcinha e disse "TE QUERO'',aquilo me arrepiou loucamente, aquele "te quero", aquela voz, aquele homem, fiquei com muito tesão, mas fiquei sem jeito, então eu fui ao banheiro, pois tinha ficado sem jeito, mas o banheiro era no segundo andar ao lado do quarto do Léo e de repente quando eu saio, está o Deus Grego na porta sem blusa, todo delicioso, quando eu ia falar algo ele simplesmente não deixou eu falar nada me pegou pela nuca puxando levemente meu cabelo, puxou meu corpo sobre o dele e beijou meu pescoço até a minha boca, me jogou contra a parede me pegou no colo e me arrastou pro quarto do Léo, fudeu, não pensei em absolutamente nada, na verdade nem pensei em nada, estava louca, muita louca, com um desejo que jamais havia sentindo na minha vida e meio alegre da bebida e galuda, haha, muito galuda, eu nem pensava, eu nem consegui agir, quando me deparo estou apenas de calcinha e aquele Deus Grego beijando meu corpo por completo, descendo, descendo e descendo até chegar lá, é, exatamente lá, no ponto da loucura, mas eu  ainda não fazia ideia do que era uma loucura, até aquele momento, ele chupou, chupou por horas maravilhosamente, e eu ficava enlouquecida com aquilo ele só usava a língua e olhava a minha cara e via o quanto eu delirava e olhava e eu delirava, parava, fazia eu implorar mais e mais, apenas uma língua, ele sentia prazer em me ver enlouquecida pedindo aquela língua no ponto mais sensível do meu corpo e eu pedia e pedia e de repente me entra 1 dedo, 2 dedos e uma língua, mas o que era aquilo? Era surreal, de outro mundo, nunca tinha sentindo tanto prazer, era apenas uma língua e quanto mais eu delirava, mais ele me fazia implorar por aquilo, e quando de repente ele ficou sobre mim e colocou, sim, ele colocou o todo poderoso dentro de mim, mas que podeeeer, que homem era aquele, aquelo só podia ser coisa da minha imaginação sórdida querendo extravasar aquele tesão contido dentro de mim,e em nenhum momento me sentia culpada pelo Vini, na verdade nem lembrava do Vini, só sei que aquela noite maravilhosa, com vários tapas, carinhos, muito tesão, vários loucuras, corpo colado no corpo, exalando prazer, foi tudo tão maravilhoso, até que acabamos dormindo na casa do Léo, na cama do Léo e logo de manhã acordo nua e sozinha querendo saber onde o Deus Grego estava, não achei e me vesti, estava indo embora, quando desço a escada me deparo com o Vini, fiquei pálida, nervosa, sem saber o que fazer, então ele me perguntou " o que você está fazendo aqui? Dormiu aqui?" e eu sem saber o que falar,sem saber se ele já sabia de tudo ou não, aliás estava na casa do amigo dele, fiquei completamente sem reação e fugi, é, fugi,fui pra minha casa completamente nervosa e sem saber o que fazer, o que falar, como iria viver daquele dia em diante, pois tinha percebido que queria ficar com Vini, mas queria pegar o Deus Grego e não sabia se falava a verdade e com certeza perderia o Vini ou mentisse e ficava pra sempre com aquele fantasma na minha cabeça, até que passou um dia e o Léo me ligou, perguntou o que havia acontecido naquele dia que só lembra que eu tinha ido ao banheiro e depois bebeu tanto que não lembrava mais nada, ele não lembrava e nem o primo dele (Eduardo), fiquei meio confusa, não sabia se eles estava me testando, então fui conversar com Eduardo e ele disse que também não lembrava de quase nada, só lembrava de eu ter ido ao banheiro, então eu tomei coragem e disse 'e aquele menino que estava com vocês?' Então Eduardo me perguntou, "que menino?(e riu)' eu me assustei, mas insisti e disse os detalhes, "um forte, alto, olhos castanhos mel, cabelo baixinho" ele disse não lembrar de nenhum cara com essas características,e começou a rir de mim dizendo que eu havia bebido muito, eu me assustei e fiquei pálida completamente sem reação, não sabia mais o que fazer, quem era aquele cara que eu havia ficado? Será que tudo aquilo foi fruto da minha imaginação? Bem, se quiserem saber o resto da estória é só esperar pelo próximo post com a continuação!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gente,leia e comente, se não leu por favor não comente, não quero mais comentários e nem mais seguidores, quero leitores, obrigada Kate Luzzi.